Agronegócio

Adapar promove inspeção preventiva de pulverizadores agrícolas no Noroeste

Essa foi a maior operação de inspeção de pulverizadores já feita pela Adapar, com análise de 150 equipamentos e orientação de produtores. Ao promover a eficácia agronômica das aplicações, a Adapar auxilia o produtor a ter um melhor controle da praga a um menor custo.

Adapar promove inspeção preventiva de pulverizadores agrícolas no Noroeste
Adapar promove inspeção preventiva de pulverizadores agrícolas no Noroeste - Foto: ADAPAR
Publicado em 28/06/2023 às 9:00

Para garantir a eficácia no controle das pragas agrícolas e mitigar problemas nas lavouras como a deriva de agrotóxicos, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) promoveu ao longo da última semana a Operação Agro+ em propriedades rurais em Astorga, no Noroeste do Estado. Essa é a maior operação de inspeção de pulverizadores já feita pela Adapar, com análise de 150 equipamentos e orientação de produtores. A ação iniciou na segunda-feira (19) e terminou a sexta-feira (23).

Segundo o gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, Renato Blood, a aplicação adequada de agrotóxicos está relacionada à qualidade da assistência técnica ao produtor, ao correto diagnóstico da praga e à recomendação de produtos para controle. “Definido o produto a ser aplicado na cultura, o agricultor deverá utilizar técnicas de aplicação que assegurem um controle adequado daquela praga a ser combatida”, afirma.

Essa ação é preventiva, e portanto possui caráter educativo. Ao promover a eficácia agronômica das aplicações, a Adapar auxilia o produtor a ter um melhor controle da praga a um menor custo. Além disso, a segurança das aplicações traz segurança técnica e jurídica para o produtor rural.

De acordo com o Fiscal de Defesa Agropecuária da Adapar, Ralph Rabelo, o próximo passo será a emissão de diagnóstico sobre a qualidade das aplicações na região, analisando a eficácia agronômica e a segurança. “Esse trabalho cumpre a função da Adapar de controlar o uso de agrotóxicos e promover a defesa sanitária vegetal”, diz.

CENÁRIO – A escolha de Astorga para a operação se deve a uma análise de risco para direcionar e otimizar as ações, de acordo com Blood. “O município possui alta concentração de sericicultores (bicho-da-seda) e vem sofrendo com perdas significativas causadas pela deriva de agrotóxicos”, diz.

A deriva acontece quando há desvio das gotas do produto durante a aplicação, fazendo com que, pela força do vento, se espalhem para além do alvo. As culturas consideradas mais sensíveis são, além da sericultura, a fruticultura, os cultivos orgânicos e a apicultura, em razão da coexistência no mesmo ambiente de lavouras como cana-de-açúcar, soja e milho.

TRABALHO – A Operação Agro+ representa apenas uma das frentes de trabalho na Adapar quanto ao uso de agrotóxicos, que é a fase de pré-aplicação. Além disso, também são realizadas fiscalizações em propriedades rurais e orientação de produtores que procuram os especialistas em tecnologia de aplicação nas unidades regionais da Agência. A Adapar também mantém contato com entidades do setor produtivo e outros órgãos governamentais para desenvolver ações em conjunto.

PARCERIA – Nas duas semanas subsequentes às inspeções, os especialistas em tecnologia de aplicação do Projeto Desata, da Universidade do Norte do Paraná (UENP), vão utilizar os dados da Adapar para elaborar um programa detalhado de manutenção e recomendação técnica das melhores opções de pontas de pulverização para cada situação irregular.