combate ao feminicídio

Caminhada reúne milhares pessoas no Dia Estadual de Combate ao Feminicídio

Homens, mulheres, crianças, autoridades, representantes da sociedade civil organizada e lideranças religiosas se reuniram em memória das vítimas de feminicídio em todo o Paraná neste sábado.

Caminhada reúne milhares pessoas no Dia Estadual de Combate ao Feminicídio
Curitiba, 22 de julho de 2023 - Dentro da programação da Campanha Paraná Unido no Combate ao Feminicídio, promovido pelo Governo do Estado, aconteceu caminhada pela Rua XV de Novembro, centro de Curitiba, com a participação da modelo Luiza Brunet.
Foto: Roberto Dziura Jr/AEN
Publicado em 24/07/2023 às 10:15

No Dia Estadual de Combate ao Feminicídio, milhares de pessoas participaram da 1ª Caminhada do Meio-Dia, realizada neste sábado (22) pela da Secretaria da Mulher, Igualdade Racial e Pessoa Idosa (Semipi). O evento faz parte da programação da Campanha Paraná Unido no Combate ao Feminicídio e teve a participação de mais de 70 municípios paranaenses, além da Capital.

Homens, mulheres, crianças, autoridades, representantes da sociedade civil organizada e lideranças religiosas se reuniram em memória das vítimas de feminicídio em todo o Paraná. Durante todo o trajeto foram exibidos cartazes, balões e faixas, pedindo a conscientização da população na luta. 

Em Curitiba, a passeata teve início na Praça Santos Andrade e ao meio-dia, em ponto, com o badalar de sinos, houve um minuto silêncio em respeito às vítimas. Em seguida os participantes atravessaram diversas  ruas do centro da cidade em direção à tradicional Boca Maldita.

Vestida de branco, em uma alusão à paz, a ex-modelo e ativista no combate à violência contra as mulheres, Luiza Brunet, participou da caminhada e se emocionou com a iniciativa. “Esse movimento representa a conscientização da luta contra o feminicídio no Brasil e no mundo. O aumento no número de casos é assustador e a única forma de pararmos com isso é levando essa conscientização real para as pessoas”, afirmou.

“A sociedade precisa se mobilizar e se orientar no sentido de observar as mulheres que estão em sofrimento, se posicionando, denunciando e motivando essas mulheres a buscarem ajuda”, completou.

Leandre Dal Ponte, secretária de Estado da Mulher, Igualdade Racial e Pessoa Idosa, reafirmou que há uma determinação firme do Paraná em criar recursos e políticas públicas para acabar com a violência contra a mulher e reduzir o número de óbitos pelo crime de feminicídio.

“São milhões de mulheres vivendo em ambientes violentos, vítimas de violência e  assédio, moral, emocional e sexual. Isso tem que acabar e precisamos de uma grande mudança cultural. Por isso, o Governo do Estado lançou a campanha Paraná Unido no Combate ao Feminicídio, pelo fim da violência contra a mulher. Vamos construir um Estado que as mulheres possam se sentir protegidas e respeitadas”, afirmou. 


DATA – O Dia Estadual de Combate ao Feminicídio foi criado após uma lei sancionada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior. O dia 22 de julho foi escolhido em referência à morte da advogada Tatiane Spitzner, de Guarapuava. Spitzner foi morta pelo marido em 2018, ao ser jogada da sacada do apartamento onde o casal morava. Luiz Felipe Manvailer foi condenado a mais de 30 anos de prisão pelo crime. 

Em Guarapuava, parentes e amigos da advogada estiveram presentes na caminhada. Cartazes, faixas e dezenas de cruzes foram expostas em memória das vítimas.

Bruna Spitzner, prima de Tatiane e procuradora da Mulher na Câmara de Vereadores de Guarapuava, esteve na caminhada e falou pela família. “Todo ano vai doer, é uma data que não tem como passar em branco, não tem como não lembrar. Por que não transformar isso em uma luta? Não foi só a Tati, ela não foi a primeira e não foi a última. A data é importantíssima para que a gente olhe para o problema de fato. Essas são mortes evitáveis”, lamentou.  

FEMINICÍDIOS – O crime de feminicídio foi tipificado em 2015, quando o Código Penal foi alterado para incluí-lo como um crime cometido pela condição de mulher, seja no contexto de violência doméstica e familiar ou por menosprezo ou discriminação à condição da mulher. As motivações são o ódio, o desprezo ou o sentimento de perda do controle e da ideia de que as mulheres são sua propriedade. 

Segundo dados do Ministério Público do Paraná (MP-PR), em 2022 foram registrados 274 casos de feminicídio ou tentativa de feminicídio no Estado. De 2019 a 2022, foram 314 feminicídios e 911 homicídios dolosos contra mulheres.

PRESENÇAS – Participaram da caminhada o secretário de Estado da Secretaria das Cidades, Eduardo Pimentel; o ex-governador de Estado, Orlando Pessuti;  a procuradora-geral do Estado, Letícia Ferreira da Silva; a controladora-geral do Estado, Luciana Carla da Silva Azevedo; o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona; o secretário de Estado de Desenvolvimento Social e Família, Rogério Carboni; a Secretária de Estado da Cultura, Luciana Casagrande; o secretário de Estado do Esporte, Helio Wirbiski; a secretária em exercício da Justiça e Cidadania, Rúbia Rossi; o diretor-geral do Detran, Adriano Furtado; o diretor-geral da Casa Civil, Luciano Borges; a presidente da Ordem dos Advogados – Seção Paraná (OAB-PR), Marilena Winter; representantes da Assembleia Legislativa do Paraná, do Tribunal de Justiça do Paraná, da Guarda Municipal de Curitiba e servidores municipais; Conselhos de Segurança; e lideranças religiosas e de etnias.