prazo chegando

Campanha de Atualização de Rebanhos do Paraná termina nesta sexta-feira

Produtores podem fazer a atualização pelo site da Adapar, aplicativo Paraná Agro e em uma das unidades locais da Adapar, sindicatos rurais ou escritório de atendimento do município. A partir de 30 de junho, o produtor que não atualizar o rebanho estará sujeito a penalidades previstas na legislação, inclusive multas.

Campanha de Atualização de Rebanhos do Paraná termina nesta sexta-feira
Foto: Gilson Abreu/AEN
Publicado em 27/06/2023 às 17:00

A campanha de atualização dos rebanhos do Paraná termina nesta sexta-feira, 30 de junho. A atualização é obrigatória para todos os produtores rurais com animais de produção de qualquer espécie sob sua guarda. Segundo o relatório parcial extraído na segunda-feira (26), 72,9% dos produtores paranaenses atualizaram seu rebanho. De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), aqueles que não cumprirem a exigência ficarão impedidos de obter a Guia de Trânsito Animal (GTA), documento que permite a movimentação de animais entre propriedades e para abate nos frigoríficos.

A GTA somente será emitida após a atualização de todas as espécies animais existentes na propriedade (bovinos, búfalos, equinos, asininos, muares, suínos, ovinos, caprinos, aves, peixes e outros animais aquáticos, colmeias de abelhas e bicho da seda).

Os produtores podem fazer a atualização no sistema online pelo site da Adapar ou pelo aplicativo Paraná Agro. Também podem fazer presencialmente em uma das unidades locais da Adapar, sindicatos rurais ou escritório de atendimento de seu município (prefeituras). A partir de 30 de junho, o produtor que não atualizar o rebanho estará sujeito a penalidades previstas na legislação, inclusive multas. O acesso ao sistema também está disponível de forma direta por meio deste link.

ÁREA LIVRE – Paraná foi reconhecido internacionalmente pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), em 27 de maio de 2021, como Área Livre de Febre Aftosa Sem Vacinação. Como compromisso do Estado, há a necessidade de cadastrar todos os animais uma vez por ano.

A atualização do rebanho é importante para a defesa agropecuária do Paraná e para os próprios produtores, pois possibilita uma ação rápida em casos de suspeita de doenças nos animais e garante informações mais exatas para o trabalho de vigilância.

AÇÃO – Em razão da ameaça da Influenza Aviária, o Paraná intensificou os trabalhos de fiscalização e orientação. O estado tem dois casos registrados, ambos em aves silvestres no Litoral. Foram intensificadas as ações de vigilância em populações de aves domésticas e silvestres em todo Estado. A depender da evolução das investigações e do cenário epidemiológico, novas medidas poderão ser adotadas pela Adapar para evitar a disseminação da doença e proteger a avicultura paranaense. Os dados precisos são ferramentas fundamentais para a atuação dos fiscais agropecuários.

APLICATIVO – O aplicativo Paraná Agro é mais uma opção oferecida pelo Sistema Estadual da Agricultura (Seagri) para facilitar o acesso a dados e serviços oferecidos pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento e suas entidades vinculadas. A plataforma foi desenvolvida em parceria com a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) e permite aos detentores de animais de produção, entre outros serviços, a atualização cadastral. Nesse caso, o usuário precisa ter login e senha da Central de Segurança do Estado, que darão acesso à página de atualização por meio do aplicativo.

BALANÇO – Segundo balanço parcial (26/06), a regional de Curitiba é a que registrou o menor percentual de comprovação de cadastro até o momento, com 56,01%. É seguida pela de União da Vitória, onde 58,7% dos proprietários de rebanhos fizeram o cadastro. Ponta Grossa vem em terceiro entre os menores índices de atualização, registrando 66,4%.

Na outra ponta lidera o índice o núcleo regional de Toledo, onde 93,9% das propriedades já cumpriram com a obrigação. É seguido pela região de Paranavaí, onde o índice chegou a 82,8% e pela regional de Umuarama (78,6%).