SUS

Estado alerta para impacto dos acidentes de trânsito para o SUS

Ocorrências envolvem atendimento pré-hospitalar, internamento e reabilitação, além de possíveis consequências socioemocionais. Em 2022, o custo só de internações hospitalares por lesões decorrentes de acidentes chegou a R$ 18 milhões no Paraná.

Estado alerta para impacto dos acidentes de trânsito para o SUS
Foto: SESA-PR
Publicado em 10/05/2023 às 11:40

A Secretaria estadual da Saúde (Sesa), por meio do seu Programa Vida no Trânsito (PVT), é parceira e apoia o movimento internacional Maio Amarelo, que visa reduzir o número de acidentes e óbitos e conscientizar a população sobre a prevenção e cuidados no trânsito. No Brasil, a iniciativa é realizada em campanha nacional há dez anos e nesta edição tem como tema central “No trânsito, escolha a vida”.

O secretário da Saúde, Beto Preto, lembra que acidentes de trânsito são um dos principais desafios enfrentados pela saúde pública, pois envolvem desde o atendimento pré-hospitalar na Rede de Urgência e Emergência até a reabilitação, além de possíveis consequências socioemocionais, tanto para as vítimas quanto para seus familiares.

“Essa campanha é muito importante, pois os acidentes de trânsito, além de afetarem drasticamente a vida de milhares de pessoas, provocam forte impacto na saúde pública. O alto custo para o sistema não se resume somente à internação, mas também à ao atendimento pré-hospitalar e a reabilitação da vítima”, diz o secretário.

No Paraná, o custo total apenas das internações hospitalares por lesões decorrentes de acidentes de trânsito foi de aproximadamente R$ 16 milhões em 2019. Já em 2022 passou para cerca de R$ 18 milhões. Os dados preliminares são do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS).

CENÁRIO – A alta velocidade e o uso de álcool antes de dirigir são os principais causadores de acidentes de trânsito. O desrespeito à sinalização e as distrações, como o uso do celular ao volante, também são fatores determinantes nas estatísticas de acidentes. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) revelam que o Brasil é, atualmente, o terceiro país com mais mortes causadas por acidentes de trânsito no mundo.

No Paraná, de acordo com o Sistema de Informações de Mortalidade (SIM/Datasus/MS), em 2022 foram registradas 2.508 mortes em decorrência de acidentes de trânsito. Destes, 33,5% eram ocupantes de automóvel; 28,63%, motociclistas; 17,26%, ciclistas; e 5,38% pedestres. A maioria das vítimas era homem (82%) e tinha entre 20 e 59 anos (71,6%).

Com relação às internações em leitos do Sistema Único de Saúde (SUS), os usuários mais vulneráveis são motociclistas (54%), seguidos dos pedestres (9,13%) e ciclistas (7,74%). Esses grupos representam cerca de 70% das internações por acidentes de trânsito.

PVT – Implantado no Paraná em 2012, o Programa Vida no Trânsito (PVT) tem como objetivo promover intervenções efetivas que apresentem redução das mortes e feridos graves por meio de melhoria da gestão do trânsito, segurança das vias e dos veículos, comportamento dos usuários e também dos serviços de emergência. Atualmente, no Paraná, 14 municípios já implantaram o programa: Curitiba, Araucária, Campo Mourão, Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Maringá, Londrina, Paranaguá, Paranavaí, Ponta Grossa, São José dos Pinhais, Toledo e Umuarama.

MAIO AMARELO – A campanha Maio Amarelo 2023 foi lançada no Paraná nesta quarta-feira (03). Durante todo o mês, o Governo do Estado, por meio do Detran-PR e demais entidades que formam o Comitê Trânsito Seguro, além dos municípios que adotaram o PVT, promoverão atividades em locais públicos e privados. Participam órgãos governamentais, empresas, entidades de classe, associações, federações e sociedade civil organizada.

Tópicos