Agricultura Sustentável

Fazenda Escola da UEPG reduz emissão de 400 toneladas de carbono por safra

Por meio de técnicas empregadas desde 1985, como o plantio direto, cuidado e preservação do solo, a instituição trabalha na redução da emissão de carbono no ar. O plantio direto é uma técnica diferenciada de manejo do solo que busca diminuir o impacto da agricultura e das máquinas agrícolas.

Fazenda Escola da UEPG reduz emissão de 400 toneladas de carbono por safra
Fazenda Escola da UEPG reduz emissão de 400 toneladas de carbono por safra
Foto: Jéssica Natal/UEPG
Publicado em 17/07/2023 às 17:00

Antes das discussões climáticas serem protagonistas no século 21, a Fazenda Escola Capão da Onça da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Fescon-UEPG) já atuava na vanguarda. Por meio de técnicas empregadas desde 1985, como o plantio direto, cuidado e preservação do solo, a instituição trabalha na redução da emissão de carbono no ar. O resultado é a contenção de 400 toneladas de carbono por safra verão/inverno, o que equivale a 1,4 tonelada de dióxido de carbono ou 400 mil litros de poluentes emitidos pela gasolina.

O plantio direto é uma técnica diferenciada de manejo do solo, que busca diminuir o impacto da agricultura e das máquinas agrícolas. Na Fescon, a prática protege o solo, reduz a erosão e mantém uma maior concentração de nutrientes, o que retém a concentração de carbono dentro do solo.

“As técnicas de cuidado e preservação do solo já existem há alguns anos dentro da Fazenda Escola. O que a gente vem fazendo hoje é o aperfeiçoamento dessas técnicas, conforme as tecnologias vão sendo desenvolvidas, até porque existe hoje um incentivo global, já estabelecido em vários países, a respeito do tema”, explica o coordenador da Fazenda Escola e professor de Agronomia na UEPG , Orcial Bortolotto.

A preocupação pela redução da emissão de carbono no ar é mundial. O elemento contribui para o chamado “efeito estufa”, que ocorre quando a radiação solar, na forma de ondas curtas, aquece a superfície terrestre e parte da radiação é refletida novamente na forma de calor. A temperatura é bloqueada por alguns gases, como CO², o que intensifica a sua retenção nas camadas mais baixas da atmosfera.

“Muito se fala nessa questão da emissão de carbono atmosférico, mas dentro do solo é onde se encontram três vezes mais a concentração desse elemento, quando comparado, por exemplo, com o ar”, diz Orcial.

Fazenda Escola da UEPG reduz emissão de 400 toneladas de carbono por safra

IMPORTÂNCIA – A retenção do carbono no solo também aumenta a produtividade das plantações e auxilia no processo de fotossíntese das plantas. O processo na Fescon acontece com rotação de culturas de milho, feijão, soja e aveia. “O carbono fica posteriormente disponibilizado no solo, o que se converte numa maior riqueza nutricional, para que as plantas possam, na sequência, também se desenvolverem”, afirma.

Além do sistema de plantio direto, a Fazenda ainda trabalha com outras estratégias, como mix de coberturas de plantas sobre o solo, os chamados ‘adubos verdes’. “Essas plantas, quando depositadas, protegem o solo, reduzem problemas de plantas daninhas e causam um enriquecimento nutricional. Toda essa massa seca de plantas são importantes nessa questão do sequestro do carbono e posterior incorporação na terra”, destaca o coordenador.

Estudos apontam que um hectare de massa seca das plantas depositada no solo sequestra uma quantidade de carbono atmosférico equivalente a aproximadamente 8 mil litros de gasolina. “Então, acaba sendo algo bastante expressivo, demonstrando que a agricultura hoje é o carro-chefe na redução da problemática”, salienta o professor.

Orcial informa ainda que trabalhos desenvolvidos dentro da Fescon demonstram que um hectare de folhas de plantação de milho deixa em torno de 8 a 9 toneladas de massa de proteção no solo, posteriormente. “Temos também 15 hectares de produção de eucalipto, que consegue capturar de 5 a 8 toneladas de carbono por hectare. E aqui tem eucalipto que já tem mais de 30 anos, então também se torna uma ferramenta muito importante dentro dessa questão”.

O planejamento, a partir de 2024 a 2025, é intensificar os estudos e formas de manejo para reduzir a emissão de carbono no ar. “Com um monitoramento junto com grupos de pesquisa e empresas, nós vamos implantar, de forma gradual e monitorada, novas técnicas de preservação do solo”, acrescenta.

Fazenda Escola da UEPG reduz emissão de 400 toneladas de carbono por safra