Planejamento

Governador recebe presidente do IBGE e destaca o Censo para orientar políticas públicas

Primeiros resultados serão divulgados quarta-feira (28). Há muita expectativa porque a última pesquisa ocorreu há 12 anos. Ratinho Junior disse que se espera mudança substancial nos dados do Paraná, com dados que se refletem no dia a dia das cidades.

Governador recebe presidente do IBGE e destaca o Censo para orientar políticas públicas
Governador Carlos Massa Ratinho Jr recebe em reunião presidente e superintendentes do IBGE. Fotos:Ari Dias/AEN
Publicado em 21/06/2023 às 14:50

O governador Carlos Massa Ratinho Junior recebeu nesta quarta-feira (21) o presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Cimar Azeredo, que está no Paraná para apresentar o processo de realização do Censo 2022. Os primeiros resultados serão divulgados na próxima quarta-feira (28). Ratinho Junior destacou a importância das informações do Censo para subsidiar o planejamento das políticas públicas do Estado em diferentes áreas.

A primeira divulgação, na semana que vem, vai apresentar os novos dados demográficos do País, mas a ideia do IBGE é fazer diferentes recortes das informações captadas pela pesquisa, que serão divulgados quinzenalmente até o final do ano. Uma das novidades desta edição é georreferenciamento de todos os domicílios brasileiros, o que facilita a identificação exata das moradias para direcionar as políticas públicas conforme necessidades específicas. Isso se reflete em áreas como habitação e saneamento, por exemplo.

“Os dados do Censo são primordiais para orientar qualquer política pública, porque é um levantamento que chega a praticamente 100% dos domicílios brasileiros”, salientou Ratinho Junior. “Como a última edição foi em 2010, esperamos agora uma mudança substancial nos dados do Paraná, com crescimento populacional, mudanças demográficas que refletem no dia a dia das cidades e também um envelhecimento da população”.

Informações preliminares do Censo 2022 divulgados no início do ano pelo IBGE apontavam um crescimento populacional em 62% dos municípios paranaenses na comparação com o levantamento de 2010. Somente a Região Metropolitana de Curitiba havia ganhado, até então, 523 mil novos habitantes.

“Trabalhamos com esses dados para direcionar os investimentos e planejar as ações do Estado a curto, médio e longo prazo”, explicou o governador. “A mudança da faixa etária da população, por exemplo, é essencial para planejarmos políticas para os idosos. Também estamos estruturando os pequenos municípios para que as pessoas continuem nessas cidades, evitando o êxodo a outras maiores. Questões relacionadas à saúde, educação, moradia, tudo isso passa pela análise dessas pesquisas”.

O presidente do IBGE salientou que o Censo é construído a muitas mãos e agradeceu o apoio do Governo do Estado para garantir e facilitar a coleta de dados no Paraná, no ano passado. “Viemos hoje ao Estado para mostrar ao governo o Censo que o IBGE está fazendo, uma pesquisa diferenciada, que recebeu um aporte tecnológico diferente. O IBGE tem uma proposta de divulgação muito rápida e precisamos preparar os estados para receber esses dados”, explicou Azeredo.

“Também viemos agradecer o apoio do Estado para que o IBGE pudesse realizar esse grande levantamento. O Censo não é uma atividade apenas do IBGE, ele é de todo o Brasil”, salientou o presidente. “É a única pesquisa que vai a todos os domicílios. Você tem o Paraná em detalhes, ele coloca uma lupa em cada área. Com isso, damos oportunidade a todos os gestores de trocar a narrativa por evidências, e isso permite que tenhamos uma construção e um monitoramento de políticas públicas muito melhor”.

EXPECTATIVA – O secretário estadual do Planejamento, Guto Silva, destacou a expectativa com os novos dados, já que há um hiato de 12 anos desde a última pesquisa. Ele explicou que esses dados servem de base para a elaboração do Plano Plurianual (PPL), que tem prazo de quatro anos, e da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). “O que provavelmente teremos agora será um novo Paraná, porque o Censo vai mostrar que a população cresceu, envelheceu e que há também um fluxo migratório das pequenas para as médias cidades”, disse.

“É nítido que haverá uma mudança profunda na nossa realidade socioeconômica e na questão demográfica. Teremos que fazer agora um estudo aprofundado, identificando oportunidades e corrigindo alguns rumos orçamentários para planejar e atender a nova realidade que será apresentada”, explicou Silva. “O objetivo é que esse novo Paraná que se apresenta no neste Censo possa estar refletido no orçamento que está sendo construído em diálogo com a sociedade”.

IPARDES – Um dos órgãos vinculados à Secretaria do Planejamento é o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Social e Econômico (Ipardes), que faz as análises estatísticas do Estado tendo como base, entre outros dados, as pesquisas do IBGE.

“Após a divulgação do Censo pelo IBGE, teremos projeções demográficas diferenciadas, que vão ter impacto em diversas áreas, como no Plano Estadual de Saúde, nas iniciativas relacionadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e em vários programas do Estado que são diretamente ligados a essa projeção demográfica”, explicou o diretor-presidente do Ipardes, Jorge Callado.

“Possivelmente teremos novos indicadores, novos números, que vão balizar o fortalecimento dos programas estaduais e também os ajustes quando necessários. São bases de dados firmes e sólidas que vão orientar as tomadas de decisão dos gestores”, ressaltou Callado.

EVENTOS – Nesta quinta-feira (22), a diretoria do IBGE se reúne com diversos setores do governo para apresentar a metodologia do Censo 2022. Além disso, na sexta-feira (23), um evento acadêmico vai comemorar os 50 anos do Ipardes, com uma palestra do presidente Cimar Azeredo Pereira e da coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque Palis, falando sobre o Censo e as demais pesquisas do instituto.

PRESENÇAS  Acompanharam a reunião o vice-governador Darci Piana; o assessor da presidência do IBGE, Sinval Dias dos Santos; os superintendentes do IBGE do Paraná, Elias Guilherme Ricardo; de Santa Catarina, Roberto Kein Gomes; e do Rio Grande do Sul, José Renato Braga de Almeida; e o chefe de Gabinete da Governadoria, Darlan Scalco.