do paraná para o mundo

Modelo de gestão da Floresta Metropolitana será apresentado em evento no Canadá

Administração compartilhada entre o Instituto Água e Terra e o Instituto e Centro de Formação Etno Bio Diverso Ângelo Kretã, de origem indígena, será debatida durante o Adaptation Futures, conferência internacional sobre adaptação às mudanças climáticas, entre 2 e 6 de outubro, em Montreal.

Modelo de gestão da Floresta Metropolitana será apresentado em evento no Canadá
A gestão compartilhada da Floresta Estadual Metropolitana, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, será apresentada durante o Adaptation Futures, em Montreal, no Canadá. Foto: Roberto Dziura Jr/AEN
Publicado em 20/06/2023 às 15:15

gestão compartilhada da Floresta Estadual Metropolitana, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, será apresentada durante o Adaptation Futures, em Montreal, no Canadá. A conferência internacional é sobre a adaptação às mudanças climáticas e acontecerá entre os dias 2 e 6 de outubro. O convite é uma das primeiras ações após a confirmação da adesão do Paraná ao Regions4, organização especializada em questões da biodiversidade, mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.

O associativismo chamou a atenção da comunidade internacional pelo fato de a Unidade de Conservação (UC) ser administrada desde 2022 por indígenas das etnias Caingangue, Guarani Ñandeva, Guarani Mbya, Avá- Guarani e Tukano, moradores do local, com base em um Termo de Cooperação de gestão entre o Instituto Água e Terra (IAT) e o Instituto e Centro de Formação Etno Bio Diverso Ângelo Kretã.

O termo busca dividir as responsabilidades de gestão da UC no que diz respeito ao uso público do local, dando oportunidade à disseminação da educação ambiental sob a perspectiva dos saberes dos povos originários da terra. Além disso, visa a preservação local, com proteção do espaço contra invasores, caçadores e queimadas; o reflorestamento com árvores nativas; a conservação e restauração do bioma da Mata Atlântica; e a recepção a turistas que desejam visitar o espaço.

O case de sucesso ganhará ao mundo por meio da palestra “Inovação do governo subnacional para integrar o conhecimento da comunidade vulnerável ao planejamento e ação de adaptação”. Quem fará a apresentação da UC será a líder do Instituto Angelo Kretã, Isabel Tukana, uma das moradoras do local. Ela ganhou uma bolsa ofertada pelo evento para subsidiar sua estadia no Canadá.

“O fato de estarmos aqui, na Floresta Estadual Metropolitana, é uma questão política, educacional, social e ancestral. Mostrar para as pessoas que, dentro da ótica indígena, nós não podemos tirar e colocar aquilo que não esteja dentro do processo do território, como plantas e mudas. Esse é o tipo de educação que oferecemos. Nossa proposta é de revitalização e replantio de plantas da região”, diz.

“Como recebemos visitas de escolas, na questão pedagógica apresentamos os cânticos, as comidas, falamos sobre a nossa ancestralidade e contamos alguns contos. Também ensinamos e auxiliamos no replantio de mudas nativas e na identificação dessas plantas”, acrescenta Isabel.

COOPERAÇÃO – Ao todo, são 35 indígenas em 11 famílias que ocupam e fazem o manejo da UC por meio do Termo de Cooperação. Pelo acordo, o IAT fica responsável pelas reformas e manutenção estruturais, delimitações de áreas que não devem ser acessadas por visitantes e o envio de mudas para o replantio.

A permanência dos povos originários no local atende ao acordo estabelecido no Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC), sobre abrigar populações tradicionais. “Será apresentada na Adaptation Futures esse tipo de gestão, no qual demonstra a importância dos saberes indígenas como instrumento de conservação da biodiversidade”, afirma a gerente de Áreas Protegidas do IAT, Letícia Salomão.

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO – A Floresta Estadual Metropolitana faz parte das mais de 70 Unidades de Conservação (UC) do Paraná, desde 1988. Localizada no limite com a ferrovia de Curitiba-Paranaguá, a área possui 4,4 mil hectares e, desde 2022, possui o manejo de forma compartilhada. A história do território indígena foi marcada pelo intenso extrativismo florestal da extinta Rede Ferroviária Federal, que a utilizava para plantio de eucalipto, cuja madeira abastecia as antigas locomotivas a vapor.

Através da gestão compartilhada, a UC está no processo de reflorestamento de árvores nativas em substituição à vegetação exótica plantada pela antiga concessionária férrea, uma forma de aumentar a vegetação da Mata Atlântica no Paraná.

REGIONS 4 – O Regions4 é uma organização com 46 governos regionais associados que compartilham o interesse de trabalhar com as questões da biodiversidade, mudanças climáticas e os objetivos de desenvolvimento sustentável. O Governo do Paraná é um associado desde maio de 2022, mas oficializou nesta quarta-feira (14) a adesão na cúpula mundial.

A ideia de apresentar a gestão da Floresta Estadual Metropolitana no Adaptation Futures 2023 surgiu após a visita da coordenadora de projetos de biodiversidade do Regiosn4, Gabriela Carrera, por se tratar de uma inovação na gestão de conservação da biodiversidade.

Galeria de Imagens

Tópicos