Mulheres no Mercado de Trabalho

Paraná liderou empregabilidade de mulheres de janeiro a maio na região Sul, aponta o Caged

As vagas ocupadas por mulheres no Paraná representam 35,04% de todos os 80.716 postos de trabalho preenchidos dentro deste recorte de gênero registrados pelo Ministério do Trabalho e Emprego no Sul do País nos cinco primeiros meses do ano.

Paraná liderou empregabilidade de mulheres de janeiro a maio na região Sul, aponta o Caged
Paraná liderou empregabilidade de mulheres de janeiro a maio na região Sul, segundo o Caged
Foto: José Fernando Ogura/Arquivo AEN
Publicado em 06/07/2023 às 14:30

Com um saldo positivo de 28.282 vagas ocupadas por mulheres nos cinco primeiros meses do ano, o Paraná manteve a liderança no ranking de contratações de mulheres entre os estados do Sul, de acordo com o Cadastro de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego. No cenário nacional, o Estado figura na terceira posição, atrás de São Paulo (103.532) e Minas Gerais (40.834).

As vagas ocupadas por mulheres no Paraná representam 35,04% de todos os 80.716 postos de trabalho preenchidos, dentro deste recorte de gênero, registrados pelo Ministério no Sul do País de janeiro a maio deste ano. Santa Catarina contratou, no mesmo período, 26.800 mulheres, enquanto o Rio Grande Sul chegou ao quinto mês do ano com 25.634 postos de trabalho ocupados por elas.

No mês de maio, o Paraná colocou 2.731 mulheres no mercado formal de trabalho, mantendo a liderança entre os estados do Sul. Foram 48,02% mais vagas que Santa Catarina no recorte de gênero (1.845 mulheres) e 57,77% a mais que o Rio Grande do Sul, com 1.731 contratações formais no mesmo período.

O setor que mais empregou mulheres em 2023 foi o de vendas, com um saldo de 7.774 colocações. Em seguida, estão serviços administrativos (6.174), serviços em nível técnico (5.739) e profissionais de ciências e artes (2.397).

Para o secretário estadual do Trabalho, Qualificação e Renda, Mauro Moraes, os dados do Caged referentes à empregabilidade de mulheres no Estado estão relacionados à promoção de igualdade de gênero, à inclusão social e ao desenvolvimento econômico do Paraná. Segundo ele, ao longo da história, as mulheres enfrentam desigualdades no mercado de trabalho e também estão mais sujeitas à informalidade.

“O saldo do Caged é referente aos postos de trabalho ocupados por elas com carteira assinada, o que representa um impacto significativo na economia de famílias paranaenses”, destaca o secretário. “Para que mais mulheres tenham acesso ao emprego formal, vamos intensificar a promoção de mutirões do emprego e também a oferta de cursos gratuitos para qualificação e capacitação profissional delas”.

Confira o relatório elaborado pela Secretaria estadual do Trabalho, Qualificação e Renda.