necrópsia

Polícia Científica do Paraná tem novo espaço para realizar necropsia em animais

A Polícia Científica realiza necropsia em animais desde 2012, mas não possuía um corpo específico de servidores e um local próprio, utilizando o espaço do Hospital Veterinário da Universidade Federal do Paraná. Em maio deste ano houve mudança para o antigo IML do Centro de Curitiba.

Polícia Científica do Paraná tem novo espaço para realizar necropsia em animais
Polícia Científica do Paraná tem novo espaço para realizar necropsia em animais Foto: Polícia Científica
Publicado em 30/06/2023 às 9:40

O combate ao crime contra animais no Paraná conta com um serviço especializado de perícia da Polícia Cientifica. A Seção de Crimes Ambientais (SCA) da corporação dispõe de uma equipe de 11 pessoas, que inclui médicas veterinárias, engenheiras ambientais, uma bióloga, um auxiliar de necropsia, um geólogo, residentes técnicos e estagiários, e possui um espaço exclusivo para a realização de exames de necropsia de animais em Curitiba.

A Polícia Científica realiza necropsia em animais desde 2012, mas não possuía um corpo específico de servidores e um local próprio, utilizando o espaço do Hospital Veterinário da Universidade Federal do Paraná, na Capital. Em 2019, a instituição criou a SCA para o atendimento dos casos de forma mais especializada, de maneira independente e com maior agilidade, e em maio deste ano houve mudança para o antigo IML do Centro da Cidade, que também abriga parte do Museu de Ciências Forenses.

“Atendemos vários casos de crimes contra a fauna no Paraná. O objetivo da necropsia é descobrir a causa da morte de animais vítimas de violência, como maus-tratos, envenenamento ou disparo de arma de fogo, e auxiliar as investigações. Os mais comuns são animais domésticos, como cachorros e gatos, mas a SCA também atende animais silvestres. Esse trabalho é tão fundamental como a necropsia em humanos”, explica a chefe da Seção, Angela Andreassa.

Os exames de necropsia realizados pela SCA partem da solicitação das forças de segurança mediante situações de maus-tratos a animais ou de outros crimes ambientais, ajudando a encontrar vestígios que expliquem uma ocorrência.

De acordo com a perita criminal Denise Gineste, desde que entrou em funcionamento, a SCA já recebeu uma grande variedade de espécies animais vítimas de maus-tratos. “Já examinamos tatus, capivaras, quatis, águias, peles e pelos de uma onça-pintada, além de materiais como armadilhas, redes de pesca, tarrafas e anilhas que eram usadas em aves”, conta.

Por se tratar de uma seção especializada, a SCA presta apoio às demais unidades da Polícia Científica no Paraná em casos de maior complexidade. Atualmente, conta com uma equipe multidisciplinar e possui uma viatura de uso exclusivo. Em 2022, a equipe foi contemplada em um termo de ajustamento de conduta (acordo com violadores da lei) do Ministério Público do Paraná e recebeu drones, câmeras fotográficas, tablets e aparelhos de medições florestais. Todos estes equipamentos foram incorporados ao trabalho de perícia.

FLORA  O SCA atua, também, em locais de crimes contra a flora, como desmatamento, apoiando investigações das forças de segurança e do Ministério Público. A Polícia Científica atua ainda em situações como identificação de espécies arbóreas e anatomia da madeira, por exemplo. O objetivo é atestar a tecnicidade de crimes como poluição e mineração, ou detectar vestígios no solo.

A corporação investe em capacitação contínua dos peritos com treinamento interno das equipes semanalmente. No caso da flora, a partir da capacitação, os peritos já puderam elaborar um guia de identificação de espécies florestais, criar um arquivo de tipos de madeira (xiloteca), uma coleção de sementes (germoteca) e uma coleção de frutos (carpoteca). Estes materiais têm objetivos científicos e ajudam os peritos a identificar as espécies presentes em locais de crimes.

A equipe da SCA também é capaz de realizar exames de forma indireta através de imagens de satélite. Para alguns crimes ambientais, como desmatamentos, essa forma de exame pode trazer mais informações técnicas que o exame direto, uma vez que possibilita a análise em diferentes épocas e permite a visualização da dimensão total do dano ambiental causado. Esse trabalho pode ser realizado em parceria com o Instituto Água e Terra. Além disso, a análise a distância reduz custos e tempo despendidos com deslocamentos, aumentando a produtividade da SCA.

DENÚNCIAS – A Seção de Crimes Ambientais atua somente a partir do acionamento feito pelos policiais civis ou militares caso haja a suspeita ou a constatação de um crime. Por isso, o registro das denúncias pela população é fundamental para que os crimes contra animais e meio ambiente sejam elucidados. No Disque-Denúncia 181 da Secretaria de Segurança Pública o anonimato é garantido e podem ser registradas situações de maus-tratos e outros crimes ambientais contra a fauna e flora.

As denúncias também podem ser feitas por telefone ou pela internet. Além deste canal, em 2022, a Polícia Civil do Paraná disponibilizou uma página exclusiva para registro online de ocorrência por maus-tratos a animais. Através da Polícia Civil do Paraná ou do 181, o registro pode gerar uma investigação criminal. Caso o crime esteja acontecendo naquele momento, é possível acionar a Polícia Militar através do telefone 190 para que a ocorrência seja atendida.