método canguru

Profissionais que atuam em UTI neonatal do Paraná são capacitados no Método Canguru

Método é uma política voltada ao atendimento humanizado do recém-nascido e ao estímulo do aleitamento materno para reduzir mortalidade e sequelas decorrentes dos agravos desse período de internação. Participam profissionais de dez hospitais.

Profissionais que atuam em UTI neonatal do Paraná são capacitados no Método Canguru
Secretaria da Saúde realiza curso para capacitação de profissionais ao Método Canguru Foto: SESA-PR
Publicado em 10/05/2023 às 11:53

Profissionais da Saúde que atuam em Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) participarão durante três dias do curso de “Sensibilização da Atenção Humanizada ao Recém-Nascido de Baixo Peso”, denominado Método Canguru. A capacitação iniciou nesta segunda-feira (8), no auditório da 2ª Regional de Saúde, em Curitiba, e é promovida pela Secretaria estadual Saúde, com o apoio do Complexo Hospitalar de Clínicas de Curitiba, para o atendimento qualificado nas áreas neurológia, nutricional e psicoafetiva dos bebês que necessitam de cuidados especiais.

O Método Canguru é uma política do Ministério da Saúde voltada ao atendimento humanizado do recém-nascido e ao estímulo do aleitamento materno, priorizando a redução não apenas da mortalidade, mas também das sequelas mais comuns decorrentes dos agravos desse período de internação.

A prática do método ajuda a garantir a sobrevida dos bebês prematuros. Em 15 de maio é celebrado o Dia Internacional de Conscientização do Cuidado Canguru. A data é uma estratégia da Saúde para favorecer e incentivar ações que ajudem no cuidado intensivo com os bebês prematuros.

Serão capacitados profissionais de dez hospitais do Estado, além de servidores da Sesa. Desde o início do ano, outros três hospitais já haviam recebido treinamento para a aplicação do método, entre eles o Hospital Universitário de Londrina. 

“A assistência perinatal necessita desse olhar diferenciado. Qualificar cada vez mais os profissionais que atuam nessa área específica resulta em um melhor atendimento tanto aos bebês quanto às mães. Os profissionais precisam ter a sensibilidade nesse momento, ajudar na rotina da UTIN”, ressalta o secretário da Saúde, Beto Preto.

No Paraná, 60 instituições possuem leitos habilitados de UTI Neonatal e Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal.

TREINAMENTO  Serão abordados assuntos como a prática de cuidados sobre o aleitamento materno, o banho, a pesagem, o relacionamento da família com a equipe de saúde, a redução do risco de infecção hospitalar e do estresse do bebê, os benefícios do contato pele a pele, entre outros que favorecem o vínculo entre o bebê e familiares.

Para o atendimento diferenciado dos bebês prematuros, os leitos ou unidades de internamento são classificados de acordo com as necessidades do cuidado. Existem dois tipos – UTIN e a Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal (UCIN).

A UCIN se subdivide, ainda, em duas outras categorias, dependendo do estado de saúde dos bebês. São a Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo), para pacientes considerados de médio risco e de menor complexidade, e a Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa), para os recém-nascidos em fase de recuperação nutricional, ou cuidados intermediários.

Conheça os hospitais que participam do curso:

Santa Casa de Maringá

Instituto de Saúde São Lucas de Pato Branco

Santa Casa de Ponta Grossa

Hospital e Maternidade São José dos Pinhais

Hospital Evangélico de Londrina

Hospital Regional do Litoral de Paranaguá

Hospital da Providência Materno Infantil de Apucarana

Hospital Universitário do Oeste do Paraná em Cascavel

Hospital Mater Dei de Curitiba

Tópicos