Conectividade Governo-Estado

Secretaria de Agricultura discute aumento da conectividade no campo com deputados estaduais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior quer trabalhar de forma mais estreita com o Estado na busca de alternativas para levar boa internet ao meio rural.

Secretaria de Agricultura discute aumento da conectividade no campo com deputados estaduais
Secretaria de Agricultura discute conectividade no campo com deputados estaduais Foto: Orlando Kissner/ALEP
Publicado em 20/06/2023 às 10:42

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, vai trabalhar de forma mais estreita com a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior da Assembleia Legislativa na busca de alternativas para que a internet chegue com qualidade a todo o meio rural paranaense. Uma primeira reunião sobre esse assunto foi realizada no fim da tarde da última terça-feira (13), com a participação do secretário Norberto Ortigara.

“É importante estabelecermos esse debate como busca de uma solução. O desafio da atual agricultura é fazer mais e melhor com menos, é refinar os processos de precisão na agricultura. Isso pressupõe o uso intensivo das coisas que já estão embarcadas em máquinas ou os processos mais digitais que estão chegando no meio rural”, afirmou Ortigara.

No entanto, se não houver acesso à internet, as novas tecnologias serão subutilizadas e os recursos investidos não cumprirão com o objetivo. “Por isso nos debruçarmos sobre a capacidade de conexão. Nós estamos pagando caro por tecnologias que não estão sendo usadas pela ausência de telemetria, de capacidade de as máquinas conversarem com o homem, porque ainda faltam investimentos importantes em capacidade de conectividade”, ponderou.

De acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária, 27% das propriedades rurais são consideradas conectadas. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2021 mostram que 72% das propriedades rurais do País (cerca de 3,6 milhões) ainda estão sem qualquer conexão com a internet. 

“Temos ouvido o setor produtivo do Paraná, um dos celeiros do País na questão da produção agrícola, e vemos o potencial que os equipamentos que estão no campo têm e o que eles não estão fazendo, é algo que precisamos resolver”, salientou o deputado Fabio Oliveira, presidente da Comissão.

“Convidamos o secretário para vir aqui na reunião da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior para entender o que nós, legisladores, podemos fazer. Que tipo de leis precisamos pensar aqui dentro desta Casa para que o agricultor possa ter o uso efetivo do equipamento que ele já investiu, isso representa redução de custos e aumento de produtividade e toda população se beneficia”, acentuou Oliveira.

ALTERNATIVAS – O secretário apresentou alternativas que estão em discussão no governo e conclamou os deputados a participarem dos debates. Uma das propostas é a liberação de créditos de ICMS decorrentes de exportações, que somente seriam liberados a longo prazo. “Esse crédito é caixa do Tesouro e não se pode liberar a não ser um certo volume por ano, mas para essa finalidade e para energias renováveis o governo tem uma visão um pouco mais ousada de liberar à vista se houver investimento”, afirmou Ortigara. 

Segundo ele, o Paraná precisaria de mais 750 torres de estação rádio base em 750 megahertz, que se juntariam às cerca de 1.400 existentes, para atender o Estado ao menos com a tecnologia 4G. 

Também como alternativa, o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná) desenvolve um projeto-piloto com algumas comunidades interioranas para levar a fibra ótica até as sedes dos distritos ou vilas. A partir dali o agricultor, financiado pelo crédito rural, poderia fazer a conexão com sua propriedade por fibra ótica, cabo ou rádio. “Teria minimamente o sinal para fazer algumas operações de uso da tecnologia disponível nos processos rurais”, disse o secretário. 

PRESENÇAS – Também participaram da reunião a deputada Ana Julia e os deputados Samuel Dantas, Ricardo Arruda e Pedro Paulo Bazana, além do presidente do IDR-Paraná, Natalino Avance de Souza, e o coordenador do Programa Paraná Energia Rural Renovável (RenovaPR), Herlon Goelzer de Almeida.

Galeria de Imagens