Agro e Educação

Secretaria de Educação e empresas agrícolas discutem matriz curricular do curso do setor

O objetivo é contemplar no currículo a realidade do mercado de trabalho, garantindo que os estudantes saiam do ensino médio técnico preparados para serem contratados e exercerem sua profissão.

Secretaria de Educação e empresas agrícolas discutem matriz curricular do curso do setor
Secretaria de Educação e empresas agrícolas discutem matriz curricular do curso do setor. Na foto, Vice Governador Darci Piana - Foto: Lucas Fermin/SEED-PR
Publicado em 22/06/2023 às 14:15

A matriz curricular do Curso Técnico Agrícola, oferecido em 23 colégios da rede estadual do Paraná, passará por uma reestruturação das disciplinas cursadas e da carga horária. O objetivo é contemplar no currículo a realidade do mercado de trabalho, garantindo que os estudantes saiam do ensino médio técnico preparados para serem contratados e exercerem sua profissão.

Para isso, a Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR) promoveu nesta semana o evento Inova Agro, reunindo 10 empresas do agronegócio e diretores de 15 colégios agrícolas da rede estadual. O objetivo é entender a impressão que as empresas têm hoje dos alunos egressos e quais conhecimentos e habilidades elas esperam que os estudantes adquiram durante a formação técnica.

“A reestruturação da matriz pretende trazer a atual realidade tecnológica do mercado de trabalho. Para melhorar a empregabilidade dos alunos, essa matriz será construída em parceria com o arranjo produtivo”, afirmou Renato Hey Gondin, coordenador de Colégios Agrícolas da Seed-PR. Ele ressalta, ainda, que a construção do currículo também levará em conta a experiência e considerações da comunidade escolar, desde estudantes até diretores.

Durante o evento, o vice-governador Darci Piana destacou os bons resultados dos colégios agrícolas e a necessidade de capacitar os estudantes para o uso das novas tecnologias do agronegócio, de maneira integrada ao mercado. “As nossas escolas vão acompanhar aquilo que está acontecendo no mundo. E a inovação nada mais é do que o diálogo, a conversa”, disse.

Diretor de Educação da Seed-PR, Anderfábio Oliveira dos Santos, observou que uma formação técnica alinhada aos avanços do setor auxiliará o estudante a se inserir no mercado de trabalho. “É importante termos este momento de escuta e de aproximação com o setor produtivo para que possamos definir um currículo responsivo às necessidades do mercado”, afirmou.

PRÁTICAS NOS COLÉGIOS – A prática agrícola é trabalhada com mais de 6 mil estudantes do Curso Técnico Agrícola, o carro-chefe da Educação Profissional nos 23 colégios agrícolas da rede estadual. A carga horária do curso técnico começa, atualmente, com 13 horas-aulas semanais na 1ª série até chegar a 26 na 3ª série.

Os estudantes têm diferentes disciplinas, como introdução à agricultura, agroindústria, culturas, horticultura, agroecologia e gestão ambiental, manejo e conservação do solo, prática agropecuária, zootecnia e agronegócio, administração e extensão rural. Exceto pela disciplina de introdução e as que envolvem gestão e administração, todas têm pelo menos metade da carga horária prática com atividades na lavoura ou com os animais.

COOPERATIVAS-ESCOLAS – Em maio deste ano, o Governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa um projeto de lei para implementar o funcionamento de cooperativas-escolas nos colégios agrícolas e florestais da rede estadual de ensino. O texto já foi aprovado e em breve será sancionado. Localizados em diferentes regiões do Paraná, eles contam com produção de grãos, hortaliças e itens de proteína animal.

Na prática, a cooperativa-escola será uma pessoa jurídica sem fins lucrativos — constituída de alunos regularmente matriculados na instituição de ensino, professores e entidades vinculadas — que tem como objeto social a cooperação recíproca de seus associados para promover e estimular o desenvolvimento do cooperativismo com finalidade educativa, em benefício dos associados e da instituição de ensino.

O objetivo da lei é garantir maior eficiência e agilidade às demandas dessas instituições, possibilitando a comercialização de produtos e gerando recursos a serem utilizados na própria instituição, além de proporcionar o contato dos estudantes com novas tecnologias utilizadas no campo por meio de parcerias no ramo do agronegócio.